CAPS Ponta da Praia precisa de melhorias

Durante o mês de fevereiro, o vereador Rui De Rosis fez diversas visitas ao Centro de Atenção Psicossocial CAPS III, conhecendo de perto das demandas de pacientes e funcionários da unidade de saúde mental. No dia 20 de fevereiro, De Rosis retornou a unidade na companhia do Secretário de Saúde, Fabio Ferraz, que se comprometeu a iniciar as melhorias necessárias.

São inúmeras as melhorias necessárias no local, elencadas pelo medebista em requerimento apresentado na noite do dia 26 de fevereiro, entre elas: mobiliário, pintura, manutenção geral da casa locada, troca da rede elétrica, troca ou conserto de ar condicionador e ventiladores quebrados, conserto da geladeira, entre outros.

Segundo o vereador, a principal melhoria necessária na unidade é o aumento do número de médicos para atendimento. “Hoje, são apenas dois psiquiatras atendendo, porém são 4 o número de vagas de médicos na unidade”.

“Santos já foi referência nacional em saúde mental e precisa voltar a ser pioneira nesta área. Estas pessoas precisam muito além de atendimento, precisam de atenção, precisam ser vistas e acolhidas pela sociedade, elas precisam de humanidade”, ressaltou o vereador em plenário.

O CAPS Ponta da Praia tem 10 mil prontuários cadastrados, atendendo semanalmente centenas de pessoas, além de contar com o serviço de Hospital Dia, com 80 pacientes semanais; 6 leitos de internação, contando também como o serviço de farmácia, que atende toda a rede e também os conveniados.

Vereador cobra entrega da piscina do Rebouças

Quase 1 ano após a audiência pública realizada da Comissão Especial de Vereadores para discutir as obras nos equipamentos públicos, o vereador Rui De Rosis, que preside a CEV, fala novamente do assunto em plenário, cobrando informações sobre a obra da piscina do Complexo Esportivo Rebouças, paralisada há 3 anos.

“Considerada um dos principais símbolos das obras iniciadas pela Prefeitura e não acabadas, a piscina do Rebouças é também motivo de preocupação dos moradores do entorno do complexo esportivo pela aparência de abandono e o acúmulo de água”, enfatizou o vereador.

De Rosis lembrou que a Secretaria de Infraestrutura e Edificações é o órgão responsável pelo projeto e pelo contrato com a empresa que deveria concluir a obra. “Ninguém entende por qual motivo uma obra está há tanto tempo parada. Enquanto isso, um local onde deveria estar havendo promoção de esporte e de qualidade de vida para os munícipes, continua fechado e servindo apenas de possível criadouro de mosquito da dengue”.

O vereador lembrou ainda que o secretário de Esportes, que assumiu a pasta no começo do ano passado e já encontrou essa situação, mantem as atividades de natação e hidroginástica na outra piscina. Sempre atento aos assuntos relacionados ao esporte na cidade, Rui De Rosis lembrou que nem ao menos os motivos da interrupção são divulgados.

“É por falta de recursos? O governo do Estado não enviou o dinheiro acordado com a Prefeitura para que a piscina fosse finalizada? É pela mudança no projeto original, que foi adaptado para o polo aquático? O que justifica tamanho atraso?”

Cobrando informações quanto a entrega da obra, o repasse Estadual de verba e as vistorias de agentes da dengue na piscina, De Rosis finalizou.

“Meu compromisso com a população é cobrar a Prefeitura para que conclua a obra. Também é meu compromisso fiscalizar o contrato e a execução dos trabalhos e auxiliar o secretário Sadao na fiscalização das condições do canteiro de obras. Não dá mais para esperar, sem receber sequer satisfação da Secretaria de Infraestrutura sobre prazos reais e motivos reais para o atraso. A população de Santos, em especial, a que vive no entorno do Rebouças merece satisfação”.

Acessibilidade é tema da Câmara

Com base em denúncias de munícipes sobre o não funcionamento de elevadores em diversas linhas de ônibus municipais, o vereador Rui De Rosis apresentou o requerimento nº 509/2018, questionando sobre a frequência das manutenções dos elevadores em todas as linhas da frota da Viação Piracicabana.

“Há denúncias de linhas circulando com os elevadores quebrados, colocando em risco a integridade física das pessoas com deficiência”, salienta o medebista. O requerimento em questão, que teve propositura anexada de mesmo teor de autoria do vereador Lincoln Reis, será debatido na sessão de hoje (19/02).

Ainda sobre transporte público, De Rosis solicitou à Viação Piracicabana, estudos para o aumento de linhas no entorno do Orquidário Municipal de Santos, e manutenção no ponto de ônibus da Rua Antenor Bué, próximo ao Conjunto Jaú, no bairro da Aparecida.

Aumento de moradores de rua é questionado

Com o início dos trabalhos legislativos de 2018, o vereador Rui De Rosis voltou a falar sobre a situação dos moradores de rua. “Basta fazer um passeio por qualquer região da nossa cidade para encontrar dezenas de pessoas em situação lastimável.”

Questionando os órgãos competentes quanto as ações efetivas e emergenciais para a triagem, recolhimento e ressocialização de moradores de rua, o peemedebista enfatizou a importância de uma abordagem dura, para separar o joio do trigo.

“Quem necessita de ajuda social e psicológica precisa ser ouvido, acolhido e encaminhado pelos órgãos competentes. Mas os bandidos, que se passam por moradores de rua para vender drogas, roubar e amedrontar a população, precisam ser identificados e detidos”, ressaltou o edil, finalizando.

“Não podemos assistir nossa cidade turística tornar-se um grande abrigo a céu aberto”.

Balanço do 1º ano de mandato

Trabalho, fiscalização, lutas, conquistas e muito aprendizado. Assim foram os primeiros 12 meses do primeiro mandato do vereador Rui De Rosis, que chegou à Câmara de Santos no início de 2017, eleito com 4378 votos.

Buscando ouvir e entender as necessidades da população, Rui representou os interesses da população nas votações da Câmara Municipal, indagando junto ao Executivo soluções para as demandas que recebeu dos munícipes.

Sempre aberto ao diálogo, tanto com a população quanto com os órgãos das esferas Executivas, fiscalizadas pela Câmara Municipal, De Rosis procurou sempre ouvir e ponderar, em busca das melhores soluções.

Assim, nestes primeiros 12 meses de trabalho, foram apresentados pelo vereador Rui De Rosis mais de 200 requerimentos, quase 100 indicações e 8 projetos de lei, todos trabalhos relacionados as solicitações que recebe diariamente dos moradores da cidade.

O parlamentar, que traz em sua bagagem a herança política de sua família e a ligação com os esportes, atuou no primeiro ano do mandato de forma ampla, mas sempre com foco especial paras questões esportivas da cidade.

Esporte

Entre as questões esportivas que se destacaram no primeiro ano de mandato estão o acompanhamento das obras dos equipamentos esportivos da cidade. Neste sentido, De Rosis presidiu a Comissão Especial de Vereador que realizou audiência pública sobre o tema, acompanhando de perto as obras e os problemas existentes nos equipamentos: Complexo Esportivo Rebouças, M. Nascimento Jr, CEZNO (Dale Coutinho) e Pagão.

Saúde

Mas nem só de esporte foi pautado este início de mandato. A luta pela doação de órgãos, com a instituição do Setembro Verde no calendário municipal da cidade, foi uma das grandes conquistas deste primeiro ano de vereança de Rui.

Outra questão que merece destaque no mandato do vereador Rui é o andamento da obra na UPA Zona Leste, antigo pronto socorro da Zona Leste. Para levar informação e ouvir os anseios da população, o vereador realizou audiência pública sobre o assunto, acompanhando de perto a execução desta obra.

Segurança

Outro tema recorrente nas falas do vereador peemedebista no Legislativo santista é sobre o aumento dos moradores de rua na cidade e as questões que esta situação implica. Sempre questionado pela população quanto o problema que afeta a saúde e a segurança pública, o vereador tem trazido o tema frequentemente ao plenário, buscando chamar atenção para a problemática que cresce a cada dia no município.

 

 

Solenidade marca os 100 anos da Portuguesa

No próximo dia 24 de novembro, a partir das 19 horas, a Câmara Municipal de Santos realiza sessão solene em homenagem a Associação Atlética Portuguesa, pelo centenário do clube. O projeto, de autoria do vereador Rui De Rosis, entrega placa ao time de futebol que completa 100 anos no dia 20 deste mês.

A solenidade reunirá representantes do time, que também é conhecido como Portuguesa Santista, além de ex-jogadores, torcedores, boa parte da colônia portuguesa da cidade e admiradores da Briosa para a entrega da placa, que será feita pelo autor da propositura, o vereador e ex-jogador da Portuguesa Santista, Rui De Rosis.A família De Rosis tem grande ligação com este time. O ex-presidente da Câmara, Oswaldo De Rosis presidiu o time no ano de 1969. Também ex-presidente da Casa, Marcus De Rosis ocupou o mesmo cargo, entre 1991 e 1994. Por sua vez, o vereador Rui De Rosis atuou na Portuguesa Santista como jogador de futebol, além de ocupar o cargo de vice-presidente.

História – Fundada em 20 de novembro de 1917, a Portuguesa Santista tem participação importante na história do futebol brasileiro. A equipe é uma das fundadoras da Federação Paulista de Futebol, em 1941.  É também Detentora da “Fita Azul” desde 1959 – título criado para homenagear as equipes que faziam excursões ao exterior com sucesso.

No mesmo ano, o time contribuiu na luta contra o Apartheid, quando em excursão pela África do Sul recusou-se a entrar em campo pois três jogadores foram impedidos de entrar em campos por serem negros.  O Estádio, Ulrico Mursa, foi o primeiro da América Latina a ter cobertura de concreto.

Coliseu aguarda obras há 365 dias

A interdição das calçadas no entorno do Teatro Coliseu completou um ano nesta semana. Lembrando este assunto, o vereador Rui De Rosis cobrou providências sobre o início da recuperação da fachada do equipamento, bem como melhorias na interdição da calçada, que coloca em risco os pedestres. “As pessoas são obrigadas a andar pelo meio da rua ao lado da linha do bonde, disputando espaço com carros, ônibus, caminhões, motos, bicicletas e também com o bonde”.
Salientando que o local foi interditado após queda de uma placa, De Rosis questiona o fato do equipamento cultural, que tem faturamento anual acima de 200 mil reais, não destinar parte desta verba para a recuperação do mesmo.

Tarifa para motos nas balsas é questionada

O vereador Rui De Rosis questionou, por meio de requerimento, o preço cobrado pela DERSA na travessia Santos Guarujá para as motocicletas. O valor hoje é de R$ 6,10, pouco mais da metade do valor cobrado para automóveis, que pagam R$ 11,90.

Segundo o parlamentar, no espaço destinado a oito automóveis, é possível transportar 50 motos, o que não justifica o valor cobrado. “Se fossemos levar em conta o valor pago pelo espaço utilizado na balsa, acreditamos que o valor mais justo a ser pago por motociclistas que utilizam o sistema deveria ser de R$ 2,00”, sugere o vereador.

Rui endereçou seu requerimento a concessionária, solicitando que informe os números relativos a quantidades de motos que realizam diariamente a travessia e questionando a justificativa para a aplicação das diferentes cobranças de tarifas entre veículos.

Audiência debate PS da Zona Leste

A construção da nova Unidade de Pronto Atendimento da Zona Leste será tema de Audiência Pública, realizada pela Câmara Municipal de Santos. Buscando levar informações à população sobre a demolição do antigo Pronto Socorro e construção da nova unidade de saúde, o vereador Rui De Rosis promove a reunião pública no dia 7 de novembro, a partir de 19h30, no salão da Paróquia Nossa Senhora Aparecida.
Com a presença do Secretário de Saúde, Fabio Ferraz; do Secretário de Serviços Públicos, Carlos Alberto Tavares Russo; e do Secretário de Edificações, Ângelo José da Costa Filho; além de entidades dos bairros da Zona Leste e população em geral, o encontro visa esclarecer à população os motivos da demolição do antigo Pronto Socorro da Zona Leste, também conhecido por P.S. do Macuco, além de informar sobre a construção da nova unidade de saúde, que será transformada em UPA.Desde agosto de 2016, o Pronto Socorro foi desativado, demolido e funciona provisoriamente em imóvel na Avenida Afonso Pena, causando insatisfação na população. A nova UPA, que tem custo total estimado no valor de 5,5 milhões, tem previsão de entrega da obra para início de 2019.

Vereador cobra fiscalização em cemitérios

Com base nos recentes estudos iniciados, de prospecção de contaminação de solo do cemitério da Areia Branca, o vereador Rui De Rosis apresentou requerimento cobrando o cumprimento da Lei Complementar nº 673/2010, que estabelece medidas de prevenção contra a contaminação do lençol freático para os sepultamentos realidos em Santos.

Lembrando a importância de evitar a contaminação do solo pelo necrochurume (líquido resultante do processo de decomposição dos cadáveres), o parlamentar relembrou a legislação aprovada em 2010 pelo ex-presidente da Câmara, Marcus De Rosis, que determina medidas de contenção do líquido.

Na propositura, que será discutida durante a Ordem do Dia, da sessão ordinária de hoje (19.10), Rui questionou a fiscalização do cumprimento da lei e solicitou cópia do laudo da análise do solo do Cemitério da Areia Branca. “A chegada do necrochorume às águas dos lençóis freáticos representa perigo à saúde pública da população, além do risco de contaminação aos trabalhadores destas unidades”.